Image default
Home » Em meio à crise na Venezuela, grupo de imigrantes chega em São Luís
Maranhão

Em meio à crise na Venezuela, grupo de imigrantes chega em São Luís

São 31 venezuelanos que já passaram por Roraima, Amazonas e Pará em busca de novas oportunidades na vida.

Um grupo de 31 venezuelanos viajou por milhares de quilômetros e resolveu se estabelecer em São Luís após a crise em sua terra natal. Há dois dias, uma casa foi oferecida pelo poder público e virou abrigo provisório dos imigrantes após eles passarem dias dormindo na rodoviária e pedindo esmolas na rua.

A residência é dividida por 7 famílias com muitas crianças. A casa possui um terraço, sala de estar, três quartos, apenas um banheiro, copa e cozinha.

De acordo com o venezuelano Rafael Rattia, o grupo saiu da Venezuela há três anos e, desde então, peregrina pelo Brasil em busca de trabalho e melhores condições de vida. Eles chegaram ao Maranhão depois de passar pelos estados de Roraima, Amazonas e Pará.

O sonho do grupo é conseguir voltar para ajudar o restante da família, que ficou no país mergulhada na profunda crise econômica e política.

“Não podemos ficar sem trabalho, sem emprego, sem dinheiro… Nós também precisamos de dinheiro para voltar para Venezuela”, contou o venezuelano Rafael Rattia.

A venezuelana Ludmila Rattia também disse que o grupo tem dificuldade de conseguir dinheiro até para alimentação.

“Sem dinheiro para comprar remédio, roupa e comida”

No fim da tarde desta quinta (2), visitaram o abrigo representantes da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social, e da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos. Eles conversaram sobre o futuro dos estrangeiros.

“A gente prestou as orientações devidas, até para que eles possam ter contato com as leis brasileiras e evitar a exposição de crianças e adolescentes em situação de rua, o que vai colocá-las em perigo e até vexatória. O objetivo é que, em médio e longo prazo, caso eles decidam ficar no Maranhão, a gente consiga incluí-los na rede pública de educação e prestar a assistência devida a eles e discutir a interiorização”, disse Jonata Galvão, secretário adjunto de Direitos Humanos do Maranhão.

Fonte: G1 Maranhão

Foto destaque: Reprodução/TV Mirante

Related posts

Veja os deputados estaduais do Maranhão que tomam posse em 2019

Marconi FM

Funcionários protestam por demissão em massa em hospital estadual de Matões do Norte

Marconi FM

58 mil maranhenses podem ter o título de eleitor cancelado por falta de regularização

Marconi FM

Leave a Comment

Este site utiliza cookies para aprimorar a sua experiência. Clicando em ok você concorda e pode sair a qualquer momento. Aceitar Veja mais

Política de cookies