Image default
Home » Em meio à crise na Venezuela, grupo de imigrantes chega em São Luís
Maranhão

Em meio à crise na Venezuela, grupo de imigrantes chega em São Luís

São 31 venezuelanos que já passaram por Roraima, Amazonas e Pará em busca de novas oportunidades na vida.

Um grupo de 31 venezuelanos viajou por milhares de quilômetros e resolveu se estabelecer em São Luís após a crise em sua terra natal. Há dois dias, uma casa foi oferecida pelo poder público e virou abrigo provisório dos imigrantes após eles passarem dias dormindo na rodoviária e pedindo esmolas na rua.

A residência é dividida por 7 famílias com muitas crianças. A casa possui um terraço, sala de estar, três quartos, apenas um banheiro, copa e cozinha.

De acordo com o venezuelano Rafael Rattia, o grupo saiu da Venezuela há três anos e, desde então, peregrina pelo Brasil em busca de trabalho e melhores condições de vida. Eles chegaram ao Maranhão depois de passar pelos estados de Roraima, Amazonas e Pará.

O sonho do grupo é conseguir voltar para ajudar o restante da família, que ficou no país mergulhada na profunda crise econômica e política.

“Não podemos ficar sem trabalho, sem emprego, sem dinheiro… Nós também precisamos de dinheiro para voltar para Venezuela”, contou o venezuelano Rafael Rattia.

A venezuelana Ludmila Rattia também disse que o grupo tem dificuldade de conseguir dinheiro até para alimentação.

“Sem dinheiro para comprar remédio, roupa e comida”

No fim da tarde desta quinta (2), visitaram o abrigo representantes da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social, e da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos. Eles conversaram sobre o futuro dos estrangeiros.

“A gente prestou as orientações devidas, até para que eles possam ter contato com as leis brasileiras e evitar a exposição de crianças e adolescentes em situação de rua, o que vai colocá-las em perigo e até vexatória. O objetivo é que, em médio e longo prazo, caso eles decidam ficar no Maranhão, a gente consiga incluí-los na rede pública de educação e prestar a assistência devida a eles e discutir a interiorização”, disse Jonata Galvão, secretário adjunto de Direitos Humanos do Maranhão.

Fonte: G1 Maranhão

Foto destaque: Reprodução/TV Mirante

Posts relacionados

Idosa de 65 anos é morta com sinais de espancamento no MA

Marconi FM

Acusado de executar prefeito de Buriti Bravo é condenado a 20 anos de prisão

Marconi FM

Maranhão tem a menor renda domiciliar do Brasil, segundo o IBGE

Marconi FM

Deixe um comentário

Este site utiliza cookies para aprimorar a sua experiência. Clicando em ok você concorda e pode sair a qualquer momento. Aceitar Veja mais

Política de cookies