Image default
Home » Bolsonaro faz reunião com ministros e governadores para debater queimadas na Amazônia
Brasil

Bolsonaro faz reunião com ministros e governadores para debater queimadas na Amazônia

Governo federal enviou Forças Armadas para atuar no combate aos focos de incêndio. Amazônia Legal é composta por nove estados, que pediram ajuda da União.

O presidente Jair Bolsonaro realizou nesta terça-feira (27), no Palácio do Planalto, uma reunião com ministros e governadores de estados da Amazônia para discutir as queimadas na floresta.

Foram chamados os governadores de:

  • Acre
  • Amapá
  • Amazonas
  • Pará
  • Rondônia
  • Roraima
  • Tocantins
  • Mato Grosso
  • Maranhão

Esses estados compõem a chamada Amazônia Legal. Na sexta-feira (23), Bolsonaro assinou um decreto permitindo o emprego das Forças Armadas no combate ao fogo na região. Todos os nove estados para os quais valia o decreto aceitaram a ajuda federal. As Forças Armadas estão atuando na Amazônia desde o fim de semana.

O avanço das queimadas e os discursos de Bolsonaro sobre o tema, com afirmações sem provas do envolvimento de ONGs nos incêndios, resultaram em críticas de autoridades, celebridades e líderes estrangeiros, em especial, do presidente da França, Emmanuel Macron. Em resposta, Bolsonaro acusou o francês de ter interesses econômicos na floresta e de reavivar o comportamento colonialista.

A reunião desta terça foi um pedido dos governadores que afirmaram que, sozinhos, não dão conta de conter o fogo na floresta.

De acordo com a Agência Espacial Norte-Americana (Nasa), 2019 é o pior ano de queimadas na Amazônia brasileira desde 2010. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) divulgou que o número de focos de queimadas, em agosto, superaram a média histórica para o mês

Nesta segunda (26), após um encontro de ministros com o presidente, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, disse que a situação está “sob controle”.

Ajuda financeira de outros países

Antes de começar a reunião, o governador do Pará, Hélder Barbalho, se disse favorável à ajuda financeira de outros países.

Na segunda, Macron anunciou que o G7 (grupo dos sete países mais ricos do mundo), enviaria US$ 20 milhões para ações de combate a queimadas. No entanto, Bolsonaro afirmou que não aceitará, a não ser Macron retire “insultos” contra ele e falas sobre um possível status internacional da Amazônia.

Para Barbalho, o momento pede aceitação de toda ajuda que estiver disponível.

“Todo o esforço, toda a ajuda é fundamental neste momento. Eu defendo que tenhamos a capacidade de convencer aqueles que queiram nos ajudar de ampliar as ofertas financeiras partindo da princípios de que esses recursos estarão alimentando as estratégias do Brasil e dos estados da Amazônia”, disse Barbalho.

O governador do Amazonas, Wilson Lima, também afirmou que toda ajuda financeira será “bem-vinda” e repetiu a importância de o poder público lançar ações que unam desenvolvimento econômico e preservação da floresta.

“Precisamos de recursos, precisamos avaliar todos os recursos que entram no Brasil e de que forma eles serão aplicados. Precisamos de apoio, de apoio internacional, de apoio institucional do governo federal e toda ajuda é bem-vinda”, afirmou Lima.

Fonte: G1 Maranhão

Foto destaque: Reprodução/EBC

Related posts

Países usam incêndios para tentar prejudicar o Brasil, diz Bolsonaro

Marconi FM

Vídeo alerta para importância do combate à automutilação e ao suicídio

Marconi FM

Polícia do Pará identifica suspeitos de provocar queimadas na Amazônia

Marconi FM

Leave a Comment

Este site utiliza cookies para aprimorar a sua experiência. Clicando em ok você concorda e pode sair a qualquer momento. Aceitar Veja mais

Política de cookies